São aproximadamente 20 milhões de células sensoriais em um só nariz, com apenas dois buracos.

Não tem coisa mais irritante do que cumprimentar uma pessoa e o perfume dela agarrar com todas as forças no seu corpo, aquele cheiro doce que gruda em cada fibra da sua roupa e fica colado em você durante o dia todo. Você e aquele perfume, que nem é o seu preferido, que não foi você que escolheu e muito menos pagou.

Deveria existir uma lei para nos proteger desse sentido: Cumprindo a sentença de acordo com a Lei nº 11.232/2010 “É expressamente proibido repassar seu cheiro, ou utilizar mais de duas fragrancias em uma única pessoa”.

Não é implicância, MENOS é MAIS!

Lavar o cabelo com shampoo de flores com seiva da terra sagrada, condicionador de lichia, sabonete de lavanda do sul da França, óleo de amêndoas doces, desodorante spray de bambu verde, hidratante de pêra, e para caprichar aquela última e fatal borrifada de perfume.

Com essa quantidade esquizofrênica de aromas, não tem cristo que fique cheiroso!

Pior que isso, é o frio. Presta atenção no que eu estou dizendo, o inverno é do mal. É o maior aliado da naftalina, do mofo e dos ácaros.

Basta ventar que as pessoas se enroscam em cachecóis, vestem casacos felpudos, colocam gorros e chapéus. Não to aqui para dar palpite em moda, mas por favor não custa colocar o casaco no sol, deixar a chinchila respirar. Faz bem, refresca e revigora.

Acho que de acordo com a complexidade desse texto, vou escrever um livro á respeito.